WAO News and Notes - Medical Reviews
Volume 5, Número 2
Fevereiro 2008

wao journalIntroduzindo um novo recurso, o World Allergy Organization Journal (WAO Journal), publicação oficial da Organização Mundial de Alergia (WAO). Formado por pesquisas originais, revisões profundas e relatos muito oportunos, este jornal online fornece um forum compartilhado para profissionais de todo o mundo sobre alergia/imunologia e dividir o conhecimento e explorar tópicos originais.

Os primeiros seis meses de publicação (Janeiro - Junho 2008), o WAO Journal será disponibilizado graciosamente online. Visite www.waojournal.org agora e você terá acesso instantâneo a descobertas de ponta publicadas exclusivamente online - 24 horas ao dia, 7 dias por semana.

Registre-se no eAlerts no www.waojournal.org para receber notícias sobre a nova colocação do WAO Journal é online.

Revisão de Jornais Médicos

O Prof. Richard F. Lockey, Editor Chefe da Web-WAO e o revisor convidado Gary Hellermann, revisaram os melhores artigos de jornais médicos para alergistas práticos.

1. TNF derivado de mastócitos (MC) é essencial para a doença alérgica da via aérea.
Camundongos deficientes de MC (MCD) foram examinados para determinar o seu papel na produção de mediadores inflamatórios que contribuem para a patologia da doença da via aérea. Camundongos MCD exibem hiperresponsividade reduzida das vias aéreas, menos hiperplasia de células globosas e níveis baixos de citocina inflamatórias, e esse efeito é revertido com a administração de MCs tipo selvagem em camundongos MCD. A injeção de MCs de camundongos sem TNF, entretanto, forneceu resultados semelhantes aos dos MCD sugerindo que o TNF é necessário para a inflamação associada à doença da via aérea. Comentários do Editor: MCs são peças importantes na doença da via aérea e potencialmente oferecem novos alvos terapêuticos. Reuter S et al., Eur Resp J, 19 Dec 07 [Epub ahead of print].

2. Antibióticos e esteróides tópicos nasais (NS) no tratamento de sinusite maxilar aguda (SMA).
Amoxicilina (A) e budesonida (B), em separado ou em associação foram testados em estudo DCCP randomizado em 240 adultos com SMA. Os pacientes com menos de dois critérios de Berg-Carenfelt ou os com dois ou mais ataques agudos de sinusite no ano anterior foram excluídos. Os pacientes foram randomizados a um dos: A + NS; placebo A + NS; A + placebo NS; ou placebo A + placebo NS. Eles receberam A 500 mg três vezes ao dia por sete dias com ou sem B 200 µg por narina por dia durante 10 dias. Os participantes do estudo mantiveram diário de sintomas, preencheram questionários e retornaram as drogas para avaliar a aderência. Não houve melhora nos escores de sintomas foi observado com A ou B isolados ou em combinação versus placebo. Comentários do Editor: SMA resolve com ou sem A ou B ou sua combinação. Williamson IG et al., JAMA, 2007; 298:2487-96. [Editorial: Lindback M, pp. 2543-4.]

3. Prevenção das exacerbações de DPOC com salmeterol/propionato de fluticasona (S/PF) ou brometo de tiotrópio (T).
Este é um estudo de dois anos, duplo-cego, duplo-placebo, multicêntrico comparando a combinação de S 50 µg mais PF 500 µg (SFC) duas vezes ao dia a T 18 µg uma vez ao dia na prevenção de de exacerbações de DPOC em 1323 pacientes com DPOC grave a muito grave (FEV1 < 50% do previsto). Dois grupos de tratamento (SFC, n = 658; T, n = 665) foram randomizados e FEV1s pre- e post-dose foram obtidos. Diário de sintomas, uso de medicação (beta agonista de curta ação e esteróides orais), uso de serviços de saúde, e questionários respiratórios foram acessados. Embora não houvesse diferenças significantes entre os grupos com relação ao número de exacerbações, os do grupo SFC foram menos propensos a abandonarem o tratamento, tiveram melhor saúde geral e menor mortalidade dos que receberam T. Comentários do Editor: O tratamento SFC versus T resultou em poucas mortes e menor morbidade, embora com as exacerbações agudas de DPOC não tenha havido diferenças. Wedzicha JA et al., Am J Resp Crit Care Med, 2008; 177:19-26.

4. Aumento da expressão de endotelina-1 epitelial (EDN1) na asma refratária.
Dez controles saudáveis, dez pacientes com asma leve sem tratamento anterior com esteróides, e 18 pacientes com asma grave em tratamento com glicocorticosteróides foram recrutados para este estudo. Espécimes broncoscópicos foram obtidos e a microdissecção a laser de captura foi usada para obter amostras de células epiteliais brônquicas para análise quantitativa em PCR em tempo real de 17 transcriptos de painel de fatores de crescimento, citocinas e quimocinas. Os dados de PCR foram verificados por imunohistoquímica nos espécimes de biópsia brônquica. Os níveis de IL-8, CXCL8 e EDN1 estavam elevados nos pacientes com asma grave. EDN1 está envolvida no remodelamento da via aérea, e a presença de grande número de células produtoras de EDN1 pode responder pelo aumento da massa de músculo liso da via aérea e fibrose vistas nestes pacientes. Comentários do Editor: Intervenção terapêutica tendo como alvo o receptor de endotelina pode ser efetivo no tratamento de asma refratária. Pégorier S et al., J Allergy Clin Immunol, 2007; 120:1301-1307.

5. Fatores associados ao risco de fratura de quadril durante cinco anos em mulheres pós-menopausadas.
Este relato utilizoou os dados de uma coorte multi-étnica de 93.676 mulheres americanas pós-menopausadas, com idades entre 50-79 anos, arroladas no Women's Health Initiative para examinar o número de fatores de risco clínico e desenvolver um algoritmo para prever o risco em cinco anos de fratura em quadril. O modelo obtido deste estudo observacional foi validado pelo exame dos dados de mulheres em braços de estudos clínicos e testado em um subgrupo de mulheres de um estudo clínico em que foram submetidas a densitometria óssea de dupla energia (DXA). Onze fatores foram preditivos para fratura de quadril dentro de cinco anos: idade, saúde auto referida, peso, estatura, raça/etnicidade, atividade física auto referida, história de fratura após os 54 anos de idade, fratura de quadril em pais, tabagismo atual, uso atual de corticosteróides, e diabetes não tratado. Comentários do Editor: Este estudo amplo de cinco anos pode fornecer auxílio no aconselhamento individual sobre o risco de fratura de quadril. Robbins J et al., JAMA, 2007; 298:2389-98.

6. Segurança e eficácia da termoplastia bronquica (BT) em asma grave sintomática.
Avaliar a eficácia da BT como método de reduzir a massa de músculo liso das vias aéreas e aumentando a patência pelo relaxamento vascular, um grupo de pacientes cujos sintomas de asma persistem a despeito de altas doses de ICS, LABA, e glicocorticosteróides orais (OCS) foram randomizados em grupos controle ou BT. Trinta e dois pacientes (15 no BT e 17 no controle) com asma grave refratária, segundo o critério GINA foram inclusos. Cerca de metade de cada grupo estavam tomando OCS assim como usando ICS-LABA. As avaliações finais foram escores de sintomas diários, questionários e entrevistas, e PEF, FEV1 e PC20. BT causou um aumento inicial nas exacerbações de asma segui-se por melhora significante na função pulmonar, medicação de alívio e sintomas. Comentários do Editor: Tratamentos tais como BT são adições bem vidas ao arsenal terapêutico para asma grave. Pavord ID et al., Am J Resp Crit Care Med, 2007; 176:1185-91.

7. Estudo de base populacional sobre a incidência e índice de complicações de Herpes zoster (HZ) antes da introdução da vacina zoster.
Este estudo retrospectivo envolve 1,669 adultos com HZ confirmada entre 1º Janeiro de 1996 e 31 de Dezembro de 2001, antes do uso de vacina HZ. A incidência ajustada de HZ foi 3,6 por 1000 pessoas-ano, e 68% dos casos ocorreram em pessoas com 50 anos ou mais. Muitos (92%) eram imunocompetentes e 60% eram mulheres. A complicação mais comum foi neuralgia pós-herpética (18% dos pacientes com HZ) e 25% tiveram pelo menos alguma seqüela relacionada ao HZ. Comentários do Editor: Este é o primeiro grande estudo de base populacional para obetr dados basais (antes da Zostavax®, Merck & Co., Inc, New Jersey) sobre HZ por idade, gênero e imunocompetência. Yawn BP et al., Mayo Clin Proc, 2007; 82:1341-1349.

8. Simpósio virtual sobre músculo liso da via aérea (ASM).
Este simpósio começa com a introdução que enfatiza o papel das mudanças do ASM na patologia da asma, DPOC e fibrose cística e a realização que o ASM tem papel importante na secreção de moléculas envolvidas na inflamação e no remodelamento das vias aéreas. Há 18 artigos cobrindo tópicos que variam dos mecanismos de contração do músculo liso e às interações das células musculares lisas com a sua matriz ao crescimento do ASM na asma, diferenças genéticas na função do ASM e às células do ASM como células inflamatórias. Comentários do Editor: Este livro em formato de jornal é uma revisão atualizada sobre o ASM por especialistas nesta área. Panettieri RA, Jr., and Solway J, editors, Proc Am Thoracic Soc, 2008; 5:3-132.

9. Estudo randomizado de cirurgia nasal para obstrução nasal fixa na apnéia obstrutiva do sono (OSA).
Este estudo avalia a eficácia do tratamento cirúrgico (septoplastia) em 49 pacientes com OSA para melhorar a respiração nasal em oposição à respiração oral. Pacientes foram randomizados nos grupos: cirurgia (27) ou simulação de cirurgia (22). Medidas basais foram semelhantes nos dois grupos. O índice médio de apnéia; hipopnéia (AHI) era similar nos dois grupos, mas o grupo cirúrgico incluiu quatro sucessos terapêuticos (aumento significante do período de respiração nasal e diminuiu o AHI) enquanto não houve algum no grupo "sham". Comentários do Editor: Apenas quarto pacientes melhoraram com a cirurgia nasal e 23 não. Outros tratamentos além da cirurgia nasal são necessários para OSA. Koutsourelakis I et al., Eur Resp J, 2008; 31:110-117.

10. Mitos do resfriado: dissipando o mito associado a vacina da influenza atenuada (LAIV).
Esta revisão atualizada compara LAIV à vacinação com influenza trivalente inativada e dissipa a impressão incorreta associada à primeira vacina. Vírus vivo replicado é um dos fatores, mas os dados demonstram que os títulos virais com LAIV são bem inferiores aos necessários para causar a infecção. Também não há evidências que o virus atenuado pode reverter ao tipo selvagem e causar doença. Efeitos adversos com a LAIV incluem rinorréia e febre de baixa intensidade; reações adversas graves não foram relatadas. Embora LAIV não seja recomendada para asmáticos, estudo em crianças com asma moderada a grave mostrou que LAIV foi bem tolerada e efetiva. Comentários do Editor: O aumento do uso de LAIV poderia reduzir a incidência mundial dessa doença. Tosh PK et al., Mayo Clin Proc, 2008; 83:77-84.

11. Estratégia Global para o manejo e prevenção da asma: Sumário executivo GINA.
GINA, a iniciativa global para asma está dedicada a fornecer informações acuradas e úteis sobre o manejo da asma. A ênfase atual é em otimizar o controle da asma; as recomendações do GINA são adaptadas para diferenças regionais na disponibilidade de tratamento, recursos e serviços. Comentários do Editor: É um documento abrangente sobre manejo e prevenção da asma com 409 referências. Bateman ED et al., Eur Resp J, 2008; 31:143-78.

12. Sinusite na criança.
A sinusite na infância pode se manifestar com tosse, congestão nasal e outros sintomas de infecção de vias aéreas superiores. Sinusite recorrente pode estar associada a DRGE, defeitos anatômicos ou imunodeficiência. Esta revisão extensa explica os sintomas clínicos da sinusite em crianças e os melhores métodos atuais para diagnosticar, prevenir, e tratar esta doença. Comentários do Editor: Esta revisão é uma leitura excelente para todos os médicos que cuidam de crianças. Virant FS, Asthma Allergy & Immunol, 2007; 20:157-67.

13. Morbidade e mortalidade por doenças evitáveis com vacinação nos E.U.A.
Esta revisão compara a morbidade e a mortalidade antes e após a implementação ampla de recomendações vacinais para 13 doenças evitáveis por vacinas cujas recomendações foram anteriores a 2005. Queda maior que 92% nos casos e igual ou maior de 99% nas mortes pelas doenças prevenidas por vacinas recomendadas antes de 1980 foram observadas para difteria, caxumba, pertussis e tétano. Transmissão epidêmica do virus da pólio, sarampo e rubéola foram eliminadas. A varíola foi erradicada ao redor do mundo. A queda foi de 80% ou mais nos casos e mortes por essas doenças tendo-se 1980 como base incluindo hepatite A, hepate B aguda, HiB, e varicela. Queda nos casos e mortes por doenças invasivas por S pneumoniae foi 34% e 25%, respectivamente. Comentários do Editor: Vacinas funcionam! Todos os médicos devem ter certeza de que seus pacientes estão atualizados com todas as vacinas. Roush, SW et al., JAMA, 2007;298:2155-63.

Revisão de Livros de Alergia

Nonallergic Rhinitis
Editores: James N. Barabiuk & Dennis Shusterman
Editores da Série MA Kaliner & RF Lockey
ISBN: 97808493399122

Disponível em: Informa Healthcare, New York. Publicado em 2007
Preço: £140.00 (cerca de $245.00 USD)

Revisor:
Ronald S. Walls MD, PhD
Universidade de Sidnei, Departamento de Imunologia e Alergia, Hospital Concord, Sidnei

A rinite não alérgica é desafio na vida de muitos médicos e cirurgiões, não apenas por que não há dados acessíveis armazenados sobre ela. Este livro é único em descrever muitos aspectos deste problema em formato acessível e compreensível. Discussões sobre a classificação da rinite não alérgica auxiliam a colocar esta doença pobremente entendida em perspectiva. A patogênese da doença nasal incluindo hiperreatividade é abordada. Há capítulos úteis sobre tópicos como rinossinusite crônica, rinite no idoso, e discussão moderada sobre dor hemifacial, apontando que muitos são incorretamente relacionados à rinossinusite crônica. Muitos outros tópicos difíceis são apresentados de modo compreensível - exemplos são a irritação sensorial secundária a agentes químicos ambientais e irritantes tais como perfumes e fumaça liberada de carros vistas em pacientes com rinite.

Este livro traz ao clínico prático a importância deste grupo de doenças - ele aponta que representam ser até 50% dos casos de rinite, e que rinite não alérgica coexiste com doença alérgica em muitas instâncias.

O livro é de fácil leitura, considerado estimulante e útil, não apenas na clínica, mas para o entendimento de possíveis mecanismos de algumas dessas doenças difíceis. Ele deve ser calorosamente recomendado.

Encontre mais revisões de livros de alergia no WAO Website aqui.

wao logo

A missão da Organização Mundial de Alergia é construir uma aliança global das sociedades de alergia para avançar no sentido da excelência no cuidado clínico, de investigação, educação e treinamento. Visite -nos no Website: www.worldallergy.org

Organização Mundial de Alergia (WAO)
Secretaria
555 E. Wells Street, Suite 1100
Milwaukee, WI 53202-3823
Email: info@worldallergy.org

Você recebeu esta mensagem por ser membro de uma sociedade membro da WAO, subscreveu a e-letter mensal ou teve contato prévio com a WAO. Se você preferir não receber mensagens futuras da WAO, por favor responda esta mensagem com REMOVE no assunto do e-mail.

Viabilizado graças a bolsa educacional irrestrita de Novartis.
novartis