wao logo

 


WAO Notícias & Lembretes

Revisões de Revistas Médicas de Março
Ponto de Encontro de Sociedades Membro da WAO
WAO Agora: O que há de novo no mundo da WAO
E em outras notícias . . .

Revisões de Revistas Médicas de Março

O Prof. Richard F. Lockey, MD, Editor Chefe do Web site da WAO, revisou os principais artigos para alergistas práticos das revistas médicas de março.

1. CÉLULAS T NATURAL KILLER COM RECEPTOR NÃO VARIANTE DE CÉLULA T NA ASMA BRÔNQUICA
As células T natural killer (NK) com receptores não variantes em humanos são CD4+ e têm receptores Va24-Ja18. Elas respondem melhor a antígenos glicolipídicos do que aos peptídicos. Quando são ativadas produzem grandes quantidades de interferon-g e IL-4. Os autores encontraram que 60% das células pulmonares CD4+CD3+ nos pacientes com asma persistente moderada a grave eram células T NK que expressavam um receptor para as células T não variante e produziam citocinas TH2. Os controles (indivíduos normais e pacientes con sarcoidose) tinham células T CD4+CD3+ convencionais, não NK. Comentários do Editor: Estes achados questionam se a célula Th2 ou a célula T NK estão envolvidas na patogenia da asma? Akbari O, y cols. N Engl J Med 2006; 354: 1117. Kay AB, Editorial: 1186.

2. POLIMORFISMOS DO RECEPTOR ß-ADRENÉRGICO E A RESPOSTA AO SALMETEROL
Este estudo investigou se ocorrem efeitos específicos de genotipo quando os pacientes com asma são tratados com agentes ß-agonistas de longa duração e se tais efeitos são modificados pelo uso concomitante de corticosteróide inalado (CEI). Em 2 coortes separados, os pacientes foram randomizados para tratamento regular com salmeterol enquanto se interrompia o tratamento com CEI e no segundo foram randomizados para o tratamento regular com salmeterol enquanto se continuava com o tratamento concomitante com CEI. Os pacientes com polimorfismos B16Arg/Arg comparados aos com B16Gly/Gly apresentaram má resposta terapêutica ao salmeterol com ou sem CEI. Comentários do Editor: Os pacientes B16Arg/Arg (aproximadamente 1/6 dos  Caucasianos e 1/5 dos Afro-americanos) podem beneficiar-se com estratégias de tratamentos alternativos para a asma. Wechsler ME, y cols. Am J Respir Crit Care Med 2006; 173: 519.Tattersfield AE, Harrison TW, Editorial: 473.

3. TEOFILINA E CETIRIZINA EM PACIENTES COM URTICÁRIA CRÔNICA IDIOPÁTICA (CIU)
Este estudo paralelo de 6 meses, duplo-cego, controlado com placebo sobre 134 pacientes com CIU (105 completaram o estudo) encontrou que a cetirizina associada à teofilina (200 mg, duas vezes / dia) foi superior à cetirizina associada ao placebo. Os resultados, medidos mediante escala analógica visual e escore de efetividade de tratamento, resultou ser estatísticamente significativo em certos parâmetros durante o estudo . Os autores concluíram que a teofilina foi bien tolerada y brindou considerable benefício adicional no tratamento da CIU. Comentários do Editor : Necessitamos de toda a ajuda que pudermos obter na CIU. Teofilina para CIU? Kalogeromitros D, y cols. Int Arch Allergy Immunol 2006; 139: 258.

4. EFEITO DO TIOTROPIUM NAS EXACERBAÇÕES E FLUXO AÉREO NA DPOC
Este estudo randomizado, duplo-cego, paralelo, duração 1 ano comparou o efeito do tiotrópio (18 µg uma vez / dia; n = 500) and placebo (n = 510) sobre exacerbações, associadas ao uso de serviços público de saúde (SPS) e limitação ao fluxo aéreo em pacientes com DPOC. O tiotrópio reduziu as exacerbaçoes, SPS e melhorou o fluxo aéreo após 1 ano. Comentários do Editor : Tiotrópio é droga de escolha para pacientes com DPOC. Dusser D, et al. Eur Respir J 2006; 27: 547.

5. HIPERSENSIBILIDADE MEDIADA POR CÉLULAS T A QUINOLONAS: MECANISMOS E REATIVIDADE CRUZADA
Seis pacientes com reações cutâneas de hipersensibilidade retardada ao ciprofloxacin, norfloxacin ou moxifloxacin foram submetidos a teste de contato in vivo e a teste de linfoproliferação in vitro para estudo das reações de tipo retardado às quinolonas. Três dos seis pacientes tiveram patch testes positivos após 24 e 48 h, e todos os pacientes tiveram testes linfoproliferativos positivos . Os autores concluem que células T estão envolvidas nas reações imunes tardias e que há reatividade cruzada entre as quinolonas freqüentemente. Comentários do Editor : Quinolonas são grupo importante de antibióticos com bom espectro e podem causar reações de hipersensibilidade retardada. Schmid DA, et al. Clin Exp Allergy 2006; 36; 59.

6. EFEITOS-COLATERAIS DA IMUNOTERAPIA ALÉRGENO-ESPECÍFICA (ITE) COM SOLUÇÃO AQUOSA COM HIDRÓXIDO DE ALUMÍNIO . ESTUDO MULTICÊNTRICO PROSPECTIVO
Quatro centros de dinamarqueses de alergia coletaram dados de todos os pacientes que iniciaram ITE em um intervalo de três anos para determinar a sua segurança. Receberam tratamento 1038 pacientes com 1709 alérgenos (timothy, birch, mugwort, ácaros, gato, vespa e veneno de abelha) perfazendo um total de 23047 injeções. Houve 582 efeitos colaterais sistêmicos em 341 pacientes. Muitos tiveram reações leves de grau 2 (78%) e as vacinas de polens foram as que mais causaram problemas. O tipo de alérgeno, mas não o paciente ou o centro foram preditivos para reações adversas. O sexo ou ter asma não influenciaram na freqüência dos efeitos colaterais. A epinefrina foi usada no tratamento de 2% dos efeitos adversos. Comentários do Editor : Este estudo indica que extratos modificados em hidróxido de alumínio são seguros e que vacinas polínicas respondem pela maioria dos efeitos colaterais da ITE. A asma não foi fatos de risco. Winther L, et al. Clin Exp Allergy 2006; 36: 254. Frew AJ, Editorial: 251. Este artigo não tem resumo disponível.

7. BUDESONIDA/FORMOTEROL EM INALADOR ÚNICO
Estudo randomizado, seis meses de duração, duplo-cego e paralelo com 697 pacientes (média de idade 38 anos) comparou os efeitos de budesonida/formoterol (B/F) (80 µg/4.5 µg, 2 inalações à noite) mais B/F quando necessário ou budesonida (B) (160 µg, 2 inalações à noite) mais terbutalino (T) (0.4 mg) quando necessário para manutenção ou alívio de asma leve a moderada. Os pacientes em B/F tiveram PFE matinal mais elevado, menor risco de exacerbação, e menos hospitalizações / idas a emergência. Melhor eficácia com B/F foi atingida com menor dose de CE inalado do que o grupo B (dose média 240 µg/d vs 320 µg/d, respectivamente) com 77% menos tratamentos com esteróide oral. A incidência e a frequência de eventos adversos foram similares. Comentários do Editor : A combinação de agente ß2-agonista de longa duração e CE inalado é melhor que o CE inalado isolado e neste estudo foi iqulmente seguro. Rabe KF, et al. Chest 2006; 129: 246.

8. INTERVENÇÕES NO DEPARTAMENTO DE EMERGÊNCIA (DE) PARA MELHORAR OS CUIDADOS DE PACIENTES EM CRISE AGUDA DE ASMA
Trezentos e oitenta e quatro pacientes (idades de 2 a 54 anos) participaram de estudo randomizado e controlado para comparar os efeitos de duas intervenções de cuidado primário (CP) em seguida a tratamento em DE por exacerbação de asma. Dados demográficos basais, intensidade da asma e acesso a cuidados foram similares nos dois grupos. A intervenção incluindo medicamentos grátis, oferta de bilhetes de transporte e consultas agendadas aumentou significantemente a probabilidade de descartar os pacientes com asma obtidos por seguimento de CP, mas não nos desfechos de longo prazo. Comentários do Editor: Estratégias de longo termo na morbidade da asma são necessários pasra pacientes para pacientes que utilizam a DE por asma aguda. Baren JM, et al. Chest 2006; 129: 257.

9. INFLUÊNCIA DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL NA RESPOSTA A AGENTS CONTROLADORES NA ASMA
A análise post hoc de dados agrupados de quatro estudos duplo-cegos controlados por placebo que randomizaram 3073 adultos com asma moderada a montelucaste, beclometasona ou placebo. Os desfechos incluíram dias de controle da asma, VEF1, consumo de ß-agonistas e despertares noturnos. Os pacientes foram classificados pelo índice de massa corporal (BMI) como: normal, sobrepeso, obeso e variáveis contínuas. Os resultados indicam que as respostas ao placebo para todos os desfechos foram geralmente menores com o aumento do BMI. Similarmente a resposta ao corticoide inalado diminuiu enquanto que ao montelucaste manteve-se estável. Comentários do Editor: A obesidade pode não apenas ser fator de risco para asma , particularmente em mulheres , como também diminuir a resposta aos corticoides inalados. Peters-Golden M, et al. Eur Respir J 2006; 27: 495.

10. PREVENÇÃO DE OSTEOPOROSE ASSOCIADA À TERAPIA CRÔNICA COM GLICOCORTICÓIDES
Um artigo da Archives of Dermatology é revisado no Journal of the American Medical Association . Ele destaca as opções de tratamento e recomendações atuais para dermatologistas tratarem pacientes com glicocorticoides sitêmicos. Comentários do Editor: O que é bom para o dermatologista é bom para o alergista. Summey BT, Yosipovitch G. Arch Dermatol 2006; 142: 82. Commentary by: Heffernan MP, et al. JAMA 2006; 295: 1300.

11. ANAFILAXIA E A ACADEMIA AMERICANA DE ALERGIA , ASMA E IMUNOLOGIA (AAAAI)
Esta magnífica revisão dos pioneiros e pilares da anafilaxia e número incontável de contribuições que alergistas /imunologistas, ao redor do mundo, têm feito que a compreensão da patog~enese e o tratamento da anafilaxia aparece no JACI. Comentários do Editor: Alergistas devem ficar orgulhosos com a sua contribuição no entendimento e tratamento desta doença. Lieberman, PL, et al. J Allergy Clin Immunol 2006; 117: 478. Este artigo não tem abstract.

12. EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA (EMC) MINI-PRIMER EM DOENÇAS ALÉRGICAS E IMUNOLÓGICAS
Este mini-primer contem capítulossobre: Revisão da resposta immune; Atualização em Imunodeficiências Primárias; Citocinas e Quimocinas; Autoimunidade, Vasculites e Autoanticorpos; IgE, Mastócitos, Basófilos e Eosinófilos; Asma: Fatores subjacentes, Incepção, Exacerbação e Progressão da doença; Controle da Inflamação Alérgica da Via Aérea por Imunomodulação; Alergia a Drogas; Alergia Alimentar; e Dermatite atópica. Os créditos podem ser obtidos por 10 CME hora . Comentários do Editor: Mais leitura para CME e para médicos em treinamento. Shearer WT, Leung D (eds). J Allergy Clin Immunol 2006; 117: S429. Este artigo não tem abstract.

13. CÂMARAS DE DESENCADEAMENTO COM ALÉRGENOS
Suplemento sobre "The Role of Allergen Challenge Chambers in the Evaluation of Anti-Allergic Medication: An International Consensus Paper." Ele oferece revisão profunda sobre o papel do das câmaras de desencadeamento como meio para avaliar tratamentos para rinite. Comentários do Editor: Leitura interessante sobre tema complicado mas científico. Day JH, et al. Clin and Exp Allergy Rev 2006; 6: 31.

14. GUIA DE CONSULTA E REFERÊNCIA CITANDO A EVIDÊNCIA : COMO O ALERGISTA /IMUNOLOGISTA PODE AUXILIAR
Este é um documento com 28 páginas como o alergista /imunologista pode auxiliar no diagnóstico e tratamento da ABPA; Anafilaxia ; Diagnóstico da Asma; Asma: diagnóstico ambiental e manejo; Tratamento da Asma: Imunoterapia; Tratamento da Asma: prevenção de morbidade; Tratamento da Asma: Prevenção de mortalidade; Tratamento da Asma: Aderência; Asma ocupacional; Conjuntivite; Tosse; Dermatite atópica; Alergia a drogas; Alergia alimentar; Pneumonite de hipersensibilidade; Hipersensibilidade a inseto ; Doenças alérgicas ocupacionais; Rinite; Sinusite; Urticária e Angioedema. Comentários do Editor: A alergia é uma especialidade pequena. Este suplemento define como o alergista /imunologista pode se envolver no diagnóstico e tratamento dessas doenças. Leung D, Schatz M (eds). J Allergy Clin Immunol 2006; 117: S495. Este artigo não tem abstract.


Ponto de Encontro de Sociedades Membro da WAO – A Sociedade Polonesa de Alergología

A Sociedade Polonesa de Alergología (Polskie Towarzystwo Alergologiczne – PTA) é uma organização sem fins lucrativos dedicada à promoção da investigação básica e clínica, alentando o treinamento e a educação continuada em alergia e imunologia clínica, promovendo a alergologia como um problema de saúde pública. A PTA foi fundada em 1983 como consequência natural do crescimento constante do número de alergistas reunidos na Seção de Especialistas em Alergia da Sociedade Médica Polonesa. A Seção de Alergia da Sociedade Médica Polonesa foi criada em 1964. Esteve relacionada principalmente à medicina interna, mas logo se estendeu à pediatria, medicina respiratória, otorrinolaringologia e dermatologia. A participação ativa da Seção de Especialistas em Alergia da Sociedade Médica Polonesa resultou no estabelecimento da alergia como subespecialidade médica independente na Polônia. Em 1973, se realizou o primeiro exame de especialistas em alergia e concedeu-se a especialização em alergia. Os primeros centros acadêmicos de alergia se fundaram en 1970 na Cracóvia dirigido pelo Prof. A. Szczeklik e em Bialistoc dirigido pelo Prof. S. Chyrek-Borowska.

A PTA como uma organização independente cresceu rapidamente desde 1983 e atualmente conta com mais de 1.000 membros. Os membros da PTA som especialistas em diferentes áreas da medicina, incluíndo a medicina interna, pediatria, otorrinolaringologia y dermatologia. Três revistas são mantidas pela PTA: Alergia, Astma, Immunologia, International Review of Allergology and Clinical Immunology e Pneumonologia i Alergologia Polska.

Cada três anos a PTA organiza um Congreso Nacional. O próximo Congresso Nacional ocorrerá em Wisla em 2006. Durante cada Congresso Nacional, se elege o novo presidente e comitê ejecutivo. O atual presidente da PTA é o Prof. Marek Kowalski, e o presidente eleito é o Prof. Piotr Kuna.

Muitos membros da PTA pertencem à EAACI, WAO e muitas outras sociedades internacionais. A PTA, como organizacção colabora com a WAO e a EAACI na organização de reuniões conjuntas e programas educativos. Em 1997, realizou uma reunião conjunta da PTA e EAACI em Katowice, enquanto que em 1999, a primeira escola de verão do Leste da EAACI ocorreu em Bialistok. Em julho de 2004, a PTA organizou um simpósio com o American College of Allergy, Asthma and Immunology em Cracóvia.

Várias reuniões organizadas pela PTA são visitadas cada ano por delegados de outras organizações internacionais. Em 2005, representantes da WAO participaram da reunião anual em Lodz.

Os objetivos principias da PTA são:

  • manter um alto nível no cuidado com a saúde dos pacientes alérgicos
  • colaborar com a investigação científica em alergia e imunologia clínica
  • promover programas educativos para médicos e pacientes
  • colaborar com jovens alergistas em suas investigações básicas e clínicas
  • promover a cooperação internacional

Contribuição de Krzysztof Kowal, MD, em representación da PTA


WAO Agora: O que há de novo no mundo da WAO

Anúncios de Seminários & Conferências 2006

Seminários & Conferências, o mais novo programa educativo da WAO, oferece às sociedades membro a oportunidade de solicitar um conferencista internacional, que de outra maneira não poderia ser convidado ao seu Congresso anual de Alergia. As localizações de 2006 incluem:

Congresso Malaio de Alergia e Imunologia
Conferencista convidado por WAO: Cassim Motala
10-12 Março de 2006
Kuala Lumpur, Malásia

IX Congreso Internacional da Sociedade Polonesa de Alergologia
Conferencista invitado por WAO: Todor Popov
10-13 de Maio de 2006
Golebiewski, Polônia

XVI Congresso da Sociedade Venezuelana de Alergia e Imunologia
Conferencista convidado por WAO: Carlos E. Baena-Cagnani
17-20 de Maio, 2006
Ilha Margarita, Venezuela

17ª Reunión Científica Anual da  Australasian Society of Clinical Immunology and Allergy
Conferencista convidado por WAO: Ronald Dahl
7-10 de Setembro de 2006
Manly Beach, New South Wales, Austrália

Congreso ALL-4-Kids: Reunión Conjunta da Sociedade de Alergia da África do Sul e da Associação Sulafricana de Pediatria
Conferencista convidado por WAO: Michael A. Kaliner
7-11 de Setembro de 2006
África do Sul

Para solicitar um Conferencista convidado pela WAO em 2007, por favor complete o formulário online.

Aliança Global Contra as Doenças Respiratórias Crónicas (GARD)

Carlos Baena-Cagnani, Past-Presidente da WAO, e G. Walter Canonica, Presidente Eleito da WAO, representaram a Organização Mundial de Alergia no lançamento da aliança Global Contra as Doenças Respiratórias Crônicas (GARD), em 28 de março de 2006 em Pequim. GARD é uma aliança voluntária de 41 organizações de reconhecimento internacional, instituições e agências de saúde, tanto de países desenvolvidos como em desenvolvimento, direcionada a compartilhar experiência, identificando problemas, promovendo soluções, coordenando atividades e trabalhando pelo objetivo comum de lutar contra as doenças respiratórias crônicas. A responsibilidade das diferentes áreas de desenvolvimento foi confiada a Grupos de Trabalho. G. Walter Canonica Co-Preside o Grupo de Trabalho de Diagnóstico em Alergia, enquanto que Carlos Baena-Cagnani é o Presidente do Grupo de Trabalho de Pediatria. A alergia é reconhecida pela coalisão GARD como uma causa principal de doença respiratória, e a WAO trabalhará de maneira incansável no GARD para promover a prevenção, diagnóstico precoce e tratamento da alergia respiratória de maneira global. Outros membros eminentes do Comitê de Diretores da WAO que participaram do lançamento de GARD em Pequin foram Jean Bousquet, Presidente de GARD e Ronald Dahl, Co-Presidente, F. Estelle R. Simons, Ruby Pawankar e Takeshi Fukuda. Encontrarás mais informações sobre GARD no Web site da OMS.

Regístre-se para a subscrição de Revistas On-Line

WAO e Hogrefe & Huber Publishers estão oferecendo um número limitado subscrições on-line gratuitas de Allergy & Clinical Immunology International - Journal of the World Allergy Organization para membros de países em desenvolvimento. Se estiveres interesado (a) em receber uma subscrição on-line de cortesia, por favor envie um e-mail a info@worldallergy.org, colocando "Free Journal Subscription" no assunto da mensagem, com os detalhes seguintes:

Nome
Sobrenome
Endereço postal
Cidade, Estado / Província e código postal
País
Endereço de e-mail
Nome da Sociedade Membro


E em outras notícias...

Revisão de Livros de Alergia

Novas Perspectivas no Monitoramento da Inflamação Pulmonar: Análise do Condensado de Respiração Exalada
Paolo Montuschi
2005 CRC Press

Preço de Lista: $119.95 USD
Acessível em: http://www.crcpress.com/shopping_cart/products/ product_detail.asp?sku=TF1734&parent_id=1192&pc=

Revisor: Mark C. Glaum, MD, PhD
Professor Assistente de Medicina e Pediatria
Universidade de South Florida

Descrição:
Nos últimos anos, tem sido dada muita atenção ao uso potencial de marcadores inflamatórios da via aérea para guiar o diagnóstico e o tratamento da doença pulmonar crônica. Até o momento pouco foram os textos que se concentraram primariamente na metodologia e aplicação destas tecnologias em crianças e adultos. Este livro texto revisa o estado atual da metodologia e confiabilidade da medição não-invasiva da inflamação da via aérea pelo condensado de ar exalado. O texto brinda os antecedentes e uma análise racional para a avaliação de vários importantes marcadores da inflamação ad via aérea que podem ter aplicações clínicas úteis na avaliação e tratamento da enfermidade pulmonar.

Propósito:
O propósito é brindar o investigador e o clínico com uma revisão concisa dos dados que abalizam o emprego do condensado de ar expirado como uma ferramenta útil para o monitoramento da inflamação da via aérea. A informação é apresentada de maneira clara e organizada, o que permite uma rápida recuperação dos pontos chave.

Audiência:
Este livro é dirigido a investigadores e clínicos interessados nas doenças pulmonares inflamatórias crônicas. Os especialistas que seguramente utilizarão mais estes recursos incluem os pneumologistas e alergistas que rotineiramente atendem pacientes com asma assim como com outras doenças pulmonares crônicas.

Características:
Os capítulos iniciais descrevem em detalhe os temas metodológicos sobre a coleta do condensado de ar exalado. Os capítulos seguintes enfocam a medição dos marcadores inflamatórios chave da via aérea. A aplicação desta tecnologia em crianças se discute em capítulo próprio. Cada capítulo começa com a apresentação do que será abordado. As figuras e tabelas estão bem desenhadas e claramente apresentadas. Os capítulos concluem com sugestões sobre bibliografia recomendada e com referências completas. Os últimos capítulos do livro discutem as implicações potenciais da análise do condensado de ar exalado no diagnóstico e tratamento das doenças pulmonares.

Avaliação:
Os avanços tecnológicos na medição não-invasiva dos marcadores inflamatórios da via aérea seguramente revolucionarão a forma pela qual as doenças pulmonares são diagnosticadas e tratadas. Os meios objetivos de medir a inflamação da via aérea permitirão ajustes guiados no tratamento da doença da via aérea, o que não é possível com os métodos atuais. Novas Perspectivas no Monitoramento da Inflamação Pulmonar: Análise do Condensado de Respiração Exalada brinda uma excelente introdução a esta tecnologia emergente e é obrigatório para os clínicos e investigadores que desejam estar atualizado em relação a estas inovações no diagnóstico e tratamento das doenças pulmonares crônicas.

Encontre mais revisões sobre livros de alergia no Web site da WAO aqui.

A missão da World Allergy Organization é desenvolver uma aliança global de sociedades de alergia para fomentar a excelência no atendimento clínico, na pesquisa, na educação e no treinamento de profissionais. Visite-nos na Web em http://www.worldallergy.org/

Secretaria da World Allergy Organization (WAO)
555 E. Wells Street, Suite 1100
Milwaukee, WI 53202-3823
Email: info@worldallergy.org

Você recebeu esta mensagem porque é membro da WAO Member Society, está inscrito para receber a e-letter mensalmente ou fez contato anterior com a World Allergy Organization. Se não mais desejar receber mensagens da WAO, responda a esta mensagem escrevendo REMOVE na linha de assunto.

Possibilitado por subvenção irrestrita de Novartis.