wao logo #


WAO Novas e Notas - Abril

Revisão dos Jornais Médicos
WAO Agora: O que há de novo no mundo da WAO
E em Outras Novidades . . .

Para informações a respeito de Bolsas de Viagem para o Congresso Mundial de Alergia (WAC 2007) da WAO em Bancoque, clique aqui


Revisão dos Jornais Médicos

O Prof. Richard F. Lockey, Editor Chefe da Web da WAO, reviu os melhores artigos publicados em jornais médicos para o alergista prático.

1. SALMETEROL (S) E PROPIONATO DE FLUTICASONA (FP) E A SOBREVIDA NA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC)
Este é um estudo randomizado, duplo-cego comparando S 50 µg associado a FP 500 µg em inalador único duas vezes ao dia com placebo, S 50 µg isolado, ou FP 500 µg isolado por três anos no tratamento da DPOC. O desfecho primário foi morte por qualquer causa. Os desfechos secundários incluíram: freqüência de exacerbações, valores espirométricos e estado de saúde. Foram incluídos 6.112 pacientes e 875 morreram nos três anos, 12,6% no grupo com a terapêutica de combinação, 15,2% no grupo placebo, 13,5% no grupo S, e 16,0% no grupo FP, correspondendo a uma diferença de 2,6 pontos percentuais ou a redução no risco de morte de 17,5% (P=0,052). S isolado ou FP isolado não diferiram significantemente do placebo. Comparado ao placebo, o regime de terapêutica combinada reduziu as taxas de exacerbação anuais de 1,13 a 0,85 e melhoraram o estado de saúde e os valores espirométricos (P<0,001 para todas as comparações com o placebo). Pneumonia como evento adverso foi mais freqüente entre os pacientes que receberam esquemas de tratamento contendo FP (19,6% na combinação e 18,3% no grupo F) vs. placebo (12,3%, P<0,001 para comparações entre esses tratamentos e o placebo). A redução nas mortes por todas as causas não atingiu diferenças significantes; entretanto, houve benefícios significantes nos outros desfechos com a terapêutica combinada. Comentários do Editor: A terapêutica combinada reduz as taxas anuais de exacerbação e melhora o estado de saúde e valores espirométricos (desfechos secundários), mas não teve efeito estatístico sobre a mortalidade (desfecho primário). Calverley PMA, et al. N Engl J Med 2007; 356: 775. Editorial, Rabe KF. N Engl J Med 2007; 356; 851.

2. TROMBOCiTOPENIA IMUNE INDUZIDA POR VANCOMICINA
Anticorpos IgG ou IgM contra plaquetas dependentes de vancomicina foram identificados em 34 pacientes com suspeita de terem trombocitopenia induzida por vancomicina. Informações sobre o seguimento clínico de 29 pacientes revelaram contagem mínima média de plaquetas de 13.600 por mm3 e sangramento grave em 10 pacientes (34%). O número de plaquetas voltou ao basal em todos os 26 pacientes sobreviventes quando a vancomicina foi interrompida. Anticorpos dependentes de vancomicina não foram encontrados em 25 controles que receberam vancomicina sem trombocitopenia. Os autores concluem que sangramento grave ocorre na trombocitopenia imune induzida por vancomicina e que o diagnóstico pode ser confirmado pela detecção de anticorpos anti-plaquetas dependentes de vancomicina. Comentários do Editor: A vancomicina deve ser incluída na lista de drogas associadas a trombocitopenia. Von Drygalski A, et al. N Engl J Med 2007; 356: 904. Editorial, Warkentin TE. N Engl J Med 2007; 356: 891.

3. BREVE HISTÓRIA DO TH17, A PRIMEIRA REVISÃO PRINCIPAL SOBRE A HIPÓTESE TH1/TH2 NO DANO TECIDUAL MEDIADO POR CÉLULAS T
O autor revisa a evolução das várias hipóteses que dominaram o pensamento sobre a regulação e interação célula - célula e a patogênese de doença. Primeiro foi o conceito de células T facilitadoras e T supressoras que foi substituído pelo conceito que citocinas produzidas por células TH1 poderiam regular negativamente a função de células TH2 e vice versa. A hipótese TH1/TH2 está sendo substituída por novos dados que indicam ser a via denominada TH17 atualmente responsabilizada por causar e sustentar o dano tecidual em várias situações tais como auto-imunidade órgão específica no cérebro, coração, sinóvia e intestinos, distúrbios alérgicos do pulmão e da pele, e infecções microbianas intestinais ou do sistema nervoso. É possível que se estabeleça que nenhuma citocinas isolada possa regular o processo vital como o dano tecidual e que isso é uma constelação de citocinas, ajustadas como em concerto, que produz finalmente o complexo fenótipo “dano tecidual” ou “recuperação do dano tecidual”. Comentários do Editor: Este é um artigo muito claro que sumariza o que há de mais novo sobre a diferenciação e regulação das células T facilitadoras. Deve ser lido por todos. Steinman L. Nature Medicine 2007; 13: 139.

4. META-ANÁLISE: IMUNOGLOBULINA INTRAVENOSA (IVIG) EM ADULTOS COM SEPSE E CRITICAMENTE ENFERMOS
Todos os estudos randomizados e controlados de pacientes criticamente doentes com sepse, sepse grave e choque séptico que receberam IVIG ou placebo ou não sofreram intervenção foram revisados. 20 estudos (n=2.621) obtiveram critérios de elegibilidade e foram analisados. IVIG foi associado a benefício de sobrevida em geral (RR = 0,74 [IC95% = 0,62 a 0,89]) comparado ao placebo ou sem intervenção. Os autores sugerem que estudo randomizado amplo, controlado com tratamento com IVIG deve ser feito por causa  das limitações metodológicas da revisão atual da literatura. Comentários do Editor: IVIG parece ser útil em pacientes adultos com sepse, mas um estudo controlado amplo necessita ser realizado. Turgeon AF, et al. Ann Intern Med 2007; 146: 193.

5. ENSAIO CLÍNICO DE TEOFILINA (T) EM BAIXA DOSE E MONTELUCASTE (M) EM PACIENTES COM ASMA (A) POBREMENTE CONTROLADA
Este é um estudo randomizado, duplo-cego e controlado por placebo com 489 pacientes com A pobremente controlada em comparação a placebo, T (300 mg/d), ou M (10 mg/d). Os participantes foram monitorados por 24 semanas e mediram o número de episódios de pobre controle da A (EPACs) definidos pela queda do pico de fluxo expiratório (PEF), aumento do uso de β-agonista, aumento do uso de corticosteróide oral (CS), ou visitas não programadas a serviço de saúde. Os resultados mostraram que não houve diferenças em comparação ao placebo: dose baixa de T, 4,9 (IC95% = 3,6-6,7; não significante); M, 4,0 (IC95% = 3,0-5,4; não significante) e placebo, 4,9 (IC95% = 3,8-6,4). M e T promoveram pequenos incrementos no VEF1 pré-broncodilatador de significância marginal. Um ou outro tratamento melhorou os sintomas da A ou a qualidade de vida. Nos pacientes que não estavam com CS inalados, adicionar T melhorou significantemente o controle, os sintomas assim como a função pulmonar (p<0,002). Os autores concluem que nem M nem T em baixa dose reduziram os EPACs nos pacientes com A pobremente controlada apesar da melhora da função pulmonar. Para pacientes que não usavam CS inalados, baixa dose de T melhora os sintomas de A mais do que M ou placebo e fornece uma alternativa de baixo custo e segura no tratamento da A. Comentátios do Editor: T ainda é uma droga com boa relação de custo-efetividade para tratamento da A. The American Lung Association Asthma Clinical Research Centers. Am J Respir Crit Care Med 2007; 175: 235.

6. TERAPIA COMBINADA DE BETA AGONISTA DE LONGA DURAÇÃO (LABA) E ANTAGONISTA DE LEUCOTRIENO EM ASMA MODERADA
192 indivíduos (12 a 65 anos) com asma moderada foram incluídos em estudo randomizado, controlado por placebo em que se comparou a eficácia clínica do tratamento por 14 semanas com montelucaste (M) e salmeterol (S) comparado a beclometasona (B) e S. O desfecho primário foi o tempo de fracasso. O tratamento com M e S foi inferior ao de B e S avaliados pela falha de proteção contra fracassos do tratamento (p =0,0008), função pulmonar (diferença de 26 L/min no PEF manhã, p = 0,011), diferença no escore de controle da asma (diferença de 0,22 no escore do Asthma Control Questionnaire, p = 0,038), e marcadores da inflamação e da reatividade das vias aéreas. Os autores concluem que M e S não devem ser substitutos para corticosteróides inalados (ICS) e LABA. Comentários do Editor: ICS (com ou sem um agente beta agonista de longa duração) permanece a primeira escolha para o tratamento da asma moderada neste grupo etário. Deykin A, et al. Am J Respir Crit Care Med 2007; 175: 228.

7. VACINA DA INFLUENZA COM VIRUS VIVO E ATENUADO (LAIV) VS. INATIVADO (IIV) EM LACTENTES E CRIANÇAS MENORES
Aproximadamente 8.000 crianças, 6 a 59 meses de idade, sem episódio recente de sibilância ou asma grave foram distribuídos de modo aleatório na razão 1:1 para receberem por via intranasal ou IAIV trivalente ou IIV trivalente, de modo duplo-cego. Doença  Influenza-símile foi monitorizada com culturas durante a estação de influenza de 2004-05. Houve 54,9% menos casos de isolamento de influenza por cultura no grupo que recebeu LAIV quando comparado ao que recebeu IIV (153 vs. 338 casos, p<0,001). Entre as crianças previamente não vacinadas, sibilância nos primeiros 42 dias da administração da dose 1 foram mais comuns com os LAIV do que IIV, primariamente entre crianças com 6 a 11 meses de vida (p=0,076). Taxas de hospitalização por qualquer causa durante os 180 dias foram mais altas entre os que receberam LAIV e tinham idades entre 6 e 11 meses (6,1%) vs. os que receberam IIV neste grupo etário (2,6%, p=0,002). Os autores concluem que LAIV teve eficácia melhor que a IIV e pode ser altamente efetiva e segura para crianças com idades entre 12 e 59 meses de idade e sem história de sibilância ou asma. Comentários do Editor: LAIV é mais efetiva que a IIV, mas não deve ser usada em pacientes com asma. Belshe RB, et al. N Engl J Med 2007; 356: 685. Editorial, Cox NJ, Bridges CB. N Engl J Med 2007; 356: 729.

8. DETECÇÃO DE ALÉRGENO EM PELO DE CÃO QUE REAGE DE MODO CRUZADO COM ALÉRGENO PRINCIPAL DO GATO, O Fel d 1
Estes autores tomaram alérgeno recombinante de gato (rFel d 1) com as mesmas propriedades imunológicas do alérgeno natural Fel d 1 e o usaram em experimentos de IgE por competição (CAP) realizados com o soro obtido de 36 pacientes alérgicos a gato. Eles observaram que Fel d 1 que reage de modo cruzado com alérgeno de cão foi caracterizado por imunoblotting uni- ou bi-dimensional usando rFel d1 nos experimentos de inibição de IgE e com anticorpos mono-específicos, policlonais de coelho anti-rFel d 1. Em 25% dos pacientes alérgicos ao gato e reativos ao Fel d 1, mais de 50% ide inibição da reatividade da IgE aos alérgenos do cão foram obtidas com o rFel d 1. Um alérgeno de 20 kDa com reatividade cruzada ao Fel d 1 e com pI de aproximadamente  3,4 foi detectado em extratos de pelo de diferentes raça de cães. Eles concluem que alérgeno similar ao Fel d 1em extratos de pelo de cão existe e pode ser responsável pela dupla positividade sorológica a cão e gato e fornece evidências de que pelo de cão e de gato, além de Can f 3/Fel d 2 (albumina) e talvez Fel d 4 (lipocalina), contêm outros antígenos de reatividade cruzada. Comentários do Editor: Esta é uma evidência adicional de que os alérgenos de cão e de gato têm reação cruzada. Reininger R, et al. Clin Exp Allergy 2007; 37: 116.

9. ANTICORPO MONOCLONAL (MA) A INTERLEUCINA-12/23 HUMANA PARA O TRATAMENTO DA PSORÍASE
320 pacientes (idade > 18 anos) com psoríase de intensidade moderada a grave foram admitidos neste estudo duplo-cego controlado por placebo e randomizado de tratamento com MA ou placebo. 64 pacientes foram distribuídos aleatoriamente em cada um dos grupos. Houve melhora de pelo menos 75% no índice de gravidade e área da psoríase na 12ª semana de tratamento (desfecho primário) em 53% dos pacientes tratados com MA (45 mg) vs. placebo. Doses elevadas foram atingidas apesar dos resultados melhores (p < 0,001). Não houve diferenças estatisticamente significantes em eventos adversos ou adversos graves. Os autores concluíram que este estudo demonstra a eficácia terapêutica do MA para psoríase e fornece evidências futuras do papel da interleucina 12/23 p40 na patofisiologia desta doença. Comentários do Editor: Respostas imunes tipo I aberrantes estão ligadas à patogênese da psoríase e as interleucinas 12 e 23 parecem ser os alvos terapêuticos apropriados. Krueger GG, et al. N Engl J Med 2007; 356: 580.

10. NFkB EM CÉLULAS DE CÂNCER DE MAMA (BC) PROMOVE METÁSTASE OSTEOLÍTICA EM OSSO PELA INDUÇÃO DE OSTEOCLASTOGÊNESE VIA GMCSF
Revisado por Gary Hellermann, Ph.D.
Pessoas com BC têm alta incidência de metástases ósseas não só por que as células do BC têm alta afinidade pelo osso mas por que secretam fatores que estimulam os osteoclastos que são responsáveis pela reabsorção óssea. Os autores imaginaram que se o fator de transcrição NF-kappaB (fator nuclear-kappa B) regula genes envolvidos na invasão do tumor e nas mestástases, ele pode   estar envolvido nas metástases osteolíticas ósseas vistas em algumas pacientes com BC. Eles verificaram que a linhagem de células cancerígenas altamente metastáticas para o osso tinha a atividade do NF-kappaB extremamente aumentada quando comparado a outro fracamente metastático. Usando camundongos como modelo mostraram que o bloqueio do NF-kappaB reduziu o tamanho e o número de lesões osteolíticas, em alguns casos preveniu-as completamente. A conexão potencial com o NF-kappaB foi feita quando descobriu-se que a atividade aumentada do NF-kappaB se correlacionava ao aumento no GM-CSF (fator estimulador de colônias de granulócitos e macrófagos) que estimula a diferenciação dos osteoclastos. Comentários do Editor: NF-kappaB é um fator pro-inflamatório e este estudo demonstra que o tratamento com anti-NF-kappaB prova ser efetivo na prevenção de metásteses de câncer. Park et al. Nature Med 2007; 13: 62.



WAO Agora: O que há de novo no mundo da WAO


seminars and conferencesLocais dos Seminários & Conferências – Maio 2007

6º Congresso Colombiano de Alergia, Asma e Imunologia
Maio 24 - 27, 2007
Medellin, Colômbia
Palestrante convidado da WAO:
Joaquin Sastre


Anafilaxia – Versão em Espanhol já Disponível!


gloriaWAO agradece sinceramente ao Dr. Mario Sanchez Borges pela transcrição ao espanhol do módulo GLORIA sobre Anafilaxia. Para acessá-lo, clique aqui.


Sedes do GLORIA em Maio de 2007

Sociedade de Alergia de Finger Lakes
Maio 5, 2007
W. Henrietta, NY, USA
Expositor GLORIA EUA:
Ira Finegold
Apresentações:
Módulo 2: Conjuntivite alérgica
Módulo 4: Imunoterapia

Sociedade de Alergia e Asma de Long Island
Maio 8, 2007
Woodbury, NY, EUA
Expositor GLORIA EUA:
Ira Finegold
Apresentação:
Módulo 2: Conjuntivite alérgica

Conferência Afro-Internacional sobre imunidade
26 -30 Maio 2007
Victoria Falls, Zimbabwe
Expositor GLORIA Internacional:
Cassim Motala
Apresentações:
Módulo 3: Emergências alérgicas
Módulo 6: Alergia alimentar

GLORIA é patrocinado por fundo educacional irrestrito de:

alcon
dey
dyax & genzyme
nutricia  shs
schering-plough


wafMaterial do World Allergy Forum já está disponível

"Uma perspectiva Global em Genética, o Ambiente e Alergia”
O material apresentado no WAF assim como as gravações do Encontro Anual da AAAAI já estão disponívels para download na WAF web page.


Você está convidado a comparecer

WAF Symposium: Tolerância Imune
XXVI Congresso da EAACI
Terça feira, 12 de Junho de 2007, 8:30 - 10:00 
Göteborg Convention Centre, Sala K2-K3
Göteborg, Suécia

Coordenadores: 
Michael A. Kaliner, EUA
Anthony J. Frew, Reino Unido

Conceitos sobre a indução de tolerância
Dale Umetsu, EUA

Modulação das doenças relacionadas à IgE na criança
Patrick Holt, Austrália

Pode o omalizumabe ser sinérgico à imunoterapia?
Thomas Casale, EUA

O World Allergy Forum é patrocinado por fundo educacional irrestrito de

novartis

Conversações WAO

Duas novas entrevistas com especialistas estão disponíveis no Web site. Para ouvir o Dr. Bill Solomon falar sobre "Aerobiologia dos polens e fungos" e o Dr. Gerald Gleich compartilhar os seus conhecimentos em "Hiper-eosinofilia e a Doença eosiniofílica", clique aqui.

Chamada por inscrições

  • Inscrição para Treinamento de Curta Duração em Pesquisa da WAO
    A WAO oferece três Bolsas para jovens alergistas realizarem treinamento de curta duração em pesquisa com início no final do segundo semestre de 2007 em centro de sua escolha. A duração desta visita será de 2 a 3 semanas e a WAO contribuirá com até US $2,500 para despesas de viagem e hospedagem, para cada um dos três ganhadores.

    Serão priorizados os clínicos jovens com até cinco anos de obtenção do título de especialista em alergia e que estiver ligado a serviço universitário ou instituto clínico. Os solicitantes deverão ser membros de sociedades membros da WAO.

    Os treinamentos de curta duração deverão ser direcionados às seguintes áreas de pesquisa prioritárias da WAO:

    *Fatores genéticos envolvidos no desenvolvimento de doença alérgica e resposta ao tratamento
    *Caracterização e padronização de alérgenos
    *Estudos clínicos e básicos em alergia e asma

    Os formulários para submissão podem ser baixados aqui

    Os pedidos serão recebidos pela WAO até 31 de maio de 2007
  • Prêmio WAO de Pesquisa Henning Løwenstein - 2007

    O Prêmio WAO de Pesquisa da WAO Henning Løwenstein é um prêmio bienal dado a jovens pesquisadores que tenham mostrado excelência no campo da Alergia. A WAO e ALK-Abelló apresentarão o ganhador no Congresso Mundial de Alergia em Bangcoque, 2 a 6 de dezembro de 2007.

    O ganhador receberá 20.000 EUROS além de bolsa para participar do Congresso Mundial de Alergia.

    alk-abelloAs normas para submissão estão no www.alk-abello.com e clique no "The WAO Henning Løwenstein Research Award."

    Data final: 30 de junho de 2007

Treinamento de Curta Duração em Pesquisa – Relatório 2006

Este mês nós apresentamos o relatório do treinamento de curta duração em Pesquisa de 2006 realizado pelo Dr. Daniel Potaczek da Escola de Medicina Universidade de Jagiellonian, Cracóvia, Polônia. O Dr. Potaczek visitou o Centro de Pesquisa em Atopia (Alergia) da Escola de Medicina e Universidade Juntendo, Japão onde aprendeu novas técnicas para o seu estudo "A variabilidade genética do gene da cadeia alfa do receptor de alta finidade para IgE e sua expressão”. Para ler o relatório desta bolsa, clique aqui.

esp latin americaEncontro das Sociedades Emergentes - Cancun, México

A primeira reunião de 2007 do grupo da WAO sobre Sociedades Emergentes (ESM) ocorrerá durante o LXI Congresso Nacional de Imunologia Clínica e Alergia, 27-30 de Junho de 2007 em Cancun, México. O ESM pretende dar continuidade ao ESM que ocorreu na América Latina em 2006 e terá como participantes os representantes: Honduras, Guatemala, Cuba, El Salvador, Nicaragua e Martinica. Este encontro é conjunto com o Colégio Americano de Alergia, Asma e Imunologia, o Colégio Mexicano de Alergia, Asma e Imunologia Clínica e a WAO.

Para maiores informações sobre o encontro do Colégiomexicanos de Alergia, Asma e Imunologia Clínica de 27-30 de Junho de 2007, clique aqui.

Assinatura do Jornal Online -

WAO e Hogrefe & Huber Publishers estão oferecendo número limitado de assinaturas onlune grátis do Allergy & Clinical Immunology International - Journal of the World Allergy Organization para membros em países em desenvolvimento. Se você estiver interessado em receber uma assinatura online complementar, mande e-mail a info@worldallergy.org, assinalando "Free Journal Subscription" no assunto da mensagem com os seguintes detalhes:

Primeiro nome
Último (Família) nome
Endereço postal
Cidade, Estão/Província e código postal
País
Endereço – e-mail
Nome da Sociedade Membro


E em Outras Novidades

Guia sobre Urticária é Publicado

O guia de Urticária da Sociedade Britânica de Alergia e Imunologia Clínica (SBAIC) foi recentemente publicado pela Blackwell Publishing no Clinical & Experimental Allergy. Para ler o texto completo, clique aqui.

Dr. Allan Kaplan, Editor convidado da WAO, reviu a Guia sobre Urticária da SBAIC e fez os seguintes comentários:

O manuscrito publicado sobre urticária e angioedema pela SBAIC é excelente. As guias são baseadas em evidência, quando possível, e oferecem uma abordagem informativa e prática sobre as doenças.

As áreas que necessitam um pouco de cautela na sua interpretação são as seguintes:

P. 6 – A guia admite que urticária e angioedema causam estresse e também indica que o reverso também é conhecido i.e. que o estresse psicológico pode desencadear e/ou agravar urticária. Um artigo referente ao tópico aponta como possível mecanismo a estimulação do hormônio liberador de corticotropina. Apesar disso, o estresse como desencadeador de urticária se aproxima mais do mito e o nível elevado de receptores de esteróides na pele pode melhorar a urticária.

P. 8 – Dois estudos afirmam que 20% dos pacientes com urticária crônica permanecem sintomáticos após 10 anos. Levantamento dos últimos 2000 pacientes do Dr. Allen Kaplan sugere uma cifra ao redor de 2%.

P. 12 – Estudos de sedação com anti-histamínicos de primeira geração nunca foram realizados em pacientes com urticária/angioedema. Desse modo os indivíduos não têm rash cutâneo, não têm edema e não têm prurido. Sedação e desempenho em pacientes com urticária crônica podem não ser normais ao início; doses de anti-histamínicos de primeira geração a intervalos fixos são freqüentemente efetivas, e o emprego desses agentes (e.g. Hidroxizine ou Difenidramina) são poupadores de corticosteróides ou tornam desnecessário o uso de ciclosporina, o seu uso de fato pode ser um passo importante entre abandonar os anti-histamínicos e utilizar agentes mais tóxicos.

P. 12 – O ácido tranexâmico pode ter algum benefício para angioedema (outro que não o hereditário onde está documentado ter efeito benéfico), mas inibir a conversão do plasminogênio em plasmina não afeta a  produção de bradicinina.

Revisão de Dois Livros de Alergia

Título: Imunologia baseada em problemas
Reginald M. Gorczynski e Jacqueline Stanley
ISBN: 1-4160-2416-6

Preço de lista: $34.95 USD
Disponível em: Elsevier

Revisor:
Dr Jane Peake MBBS, FRACP, DTM&H
Universidade de Queensland, Herston, Queensland, Austrália

Descrição:
Em poucas áreas da medicina houve uma expansão do conhecimento científico sobre o processo patológico subjacente tão rápido como na área da imunologia. Isto torna difícil aos alunos de medicina e aos médicos manter-se atualizado com todos esses achados em particular compreender a sua relevância clínica. Este livro texto foi idealizado para fornecer “atualização” no conhecimento da imunologia, tanto nos seus conceitos básicos quanto na sua aplicação clínica. Casos característicos foram usados para demonstrar a relevância e o aumento do interesse e ilustrar o espectro das doenças clínicas imunológicas.

Proposta:
A proposta do livro foi cobrir a base científica da imunologia e usando a sistemática de baseada em problema fornecer uma ponte com a medicina clínica. Cada seção apresenta estudos de casos clínicos para demonstrar a relevância prática do conhecimento da imunologia no diagnóstico de uma variedade de doenças clínicas complexas.

Audiência:
Este livro foi idealizado para estudantes de medicina e estudantes de pós-graduação que desejem aprender mais sobre imunologia clínica. Ele pode também ser de interesse para aqueles que ensinam esses estudantes e prover material para discussão em grupos, muito usado para estimular o ensino.

Características:
Há seções em cada área principal no campo da imunologia clínica – imunodeficiências, hipersensibilidade, auto-imunidade, imunologia de tumores, transplantes e imunização. Em cada seção há uma revisão sobre os principais conceitos e um número relevante de casos de estudo. Cada um desses casos de estudo inicia-se com a história clínica seguida por uma série de questões para discussão em grupo. O caso é a seguir explorado com a análise da história familiar, investigações laboratoriais, diagnósticos diferenciais, e se for relevante há a seguir explicações sobre as investigações, interpretação dos resultados laboratoriais, terapia ou processo patológico subjacente e etiologia. Um aditivo interessante e único deste livro é a seção final sobre psico-neuro-imunobiologia, que explora o conceito de que o sistema imune é influenciado por sistemas não imunológicos fisiológicos e sobre a interface entre “corpo” e “mente”.

Avaliação:
Imunologia baseada em problema prove um excelente livro texto básico para estudantes de medicina e estudantes de pós-graduação em imunologia clínica. Estudantes freqüentemente têm dificuldades em compreender a ciência complexa que sustenta a imunologia e a relevância clínica do que eles estão aprendendo. O desenho do livro estimula o aluno a pensar sobre os conceitos científicos e os casos provêm interesse e relevância clínica. Se usado como foi idealizado, iniciando-se por discussão de questões antes da apresentação do caso, o aluno se engajará de modo a que ele quererá continuar lendo mais. No mundo desenvolvido, as doenças alérgicas têm se tornado um problema crescente com aumento rápido na incidência da alergia alimentar, rinite alérgica e eczema. A seção de hipersensibilidade poderia ser beneficiada caso houvesse casos que explorassem esses tópicos importantes. A leitura das considerações ao final de cada caso ou das seções poderia fornecer recursos aos estudantes que estivessem interessados, mas desafortunadamente elas são apenas disponíveis na seção de psico-neuro-imunobiologia.

Título: Kendig – Doenças do Trato Respiratório em Crianças
Editores: Chernick, Boat and Wilmott, Bush

Preço de lista: $249.00 USD
Disponível em: Elsevier

Revisor:
Peter van Asperen MD FRACP
Chefe do Departamento de Medicina Respiratória do Hospital Infantil Westmead &
Macintosh, Professor Medicina Respiratória Pediátrica, Universidade de Sidnei, Austrália.

Descrição:  
A sétima edição desta internacionalmente respitada “bíblia da pneumologia pediátrica” primeiramente publicada em 1967, foi dedicada à memória do Dr Edwin Kendig, o editor fundador que também esteve envolvido em todas as edições anteriores. Ele cobre esse amplo tema em uma seqüência lógica que inicia com a seção sobre "Considerações Gerais" (incluindo capítulos sobre o desenvolvimento e fisiologia do pulmão normal assim como sobre a avaliação clínica) e transcorre sobre as várias doenças infecciosas e não-infecciosas do trato respiratório assim como de doenças imunológicamente mediadas e imunodeficiências. Esta é a primeira edição que contém seção em separado sobre “Asma” e que inclui capítulos sobre epidemiologia e imunopatogênese da sma, asma no pré-escolar e na criança mais velha, e a influência da via aérea superior na inferior. Esta seção é complementada por outros capítulos na seção “Considerações Gerais” incluindo biologia e monitoramento da inflamação da via aérea, assim como de drogas administradas por aerossol em crianças.

Proposta:
O livro é desenhado para ofertar um texto de referência compreensivo em doenças pulmonares raras e comuns assim como um entendimento científico da função pulmonar e como ela pode ser afetada nestas doenças.

Audiência:
Embora primariamente desenhado como livro texto para médicos práticos em pneumologia pediátrica e intensivistas assim como especializandos nestas sub-especialidades pediátricas, ele também serve como fonte útil de consulta para todos os pediatras e especializandos, incluindo os pediatras alergistas.

Características:
Esta última edição foi estensamente revisada para incorporar um amplo corpo de conhecimentos que se tornou disponível desde a sua última edição em 1998. Os autores escolheram de forma cuidadosa os especialistas no diferentes temas e há representantes de ambpos os lados do Atlântico assim como da região Ásia-Pacífico. Todos os capítulos são bem estruturados e ilustrados, são de leitura fácil e contêm uma mistura de informações científicas e práticas com referências atualizadas ou sugestão de leitura. Esta edição também contém uma série de pranchas coloridas que aparecem no início do livro, as são referidas aos respectivos capítulos.

Avaliação:
O livro tem sido e permanence como um dos poucos livros texto abrangentes sobre doenças respirat´rias pediátricas e com seu material atualizado poderá servir como importante fonte para consulta de toda a sua audiência. Como todos os livros texto algumas das informações ficarão rapidamente defasadas, mas muito do seu conteúdo continuará relevante até a próxima revisão. Na seção de asma, a informação fornecida é consistente com os conhecimentos atuais e a abordagem terapêutica da asma pediátrica embora reflete predominantemente o manejo na América do Norte. Recomendamos este livro a qualquer um que esteja buscando informações sobre temas respiratórios em crianças.

Encontre mais revisões de livros de alergia no Website da WAO aqui.

A missão da World Allergy Organization é construer uma aliança global das sociedades de alergia para disseminar a excelência em cuidados clínicos, pesquisa, ediucação e treinamento. Visite-nos no Web www.worldallergy.org

World Allergy Organization (WAO)
Secretaria
555 E. Wells Street, Suite 1100
Milwaukee, WI 53202-3823
Email: info@worldallergy.org

Você recebeu esta mensagem por ser membro de uma sociedade membro da WAO, por ter subscrito a e-letter mensal ou ter tido contato prévio com a World Allergy Organization. Se você preferir não receber mensagens posteriores da WAO, por favor responda a esta mensagem com REMOVE na linha do assunto.

Possível graças a fundo educacional irrestrito da Novartis.