WAO News and Notes - Medical Reviews
Volume 5, Issue 9
Reviews - September 2008
Medical Journal Reviews

Revisão de Revistas Médicas Artigos revistos pelo Prof. Richard F. Lockey, M.D., Editor Chefe da WAO Web, e pelo Editor Convidado Mark Glaum, M.D., Ph.D.

1. A MORTE SUBTOTAL DE STAPHYLOCOCCUS AUREUS NA DERMITE ATÓPICA ESTÁ ASSOCIADA A MOBILIZAÇÃO DIMINUÍDA DE B-DEFENSINA-3 HUMANA (HBD-3)
A síntese e a mobilização são necessárias para a eliminação rápida de S aureus. Neste estudo, compararam-se queratinócitos de biópsias de indivíduos com dermite atópica (DA) com as de indivíduos saudáveis. Os queratinócitos de doentes com DA vs. os de indivíduos saudáveis foram deficientes a eliminar S aureus (P < 0,001). Os níveis constitutivos de HBD-3 nos queratinócitos epidérmicos foram semelhantes nos dois grupos. No entanto, as células de DA não conseguiram mobilizar eficientemente a HBD-3 para matar S aureus. A mobilização de HBD-3 e a capacidade de matar S aureus foram significativamente inibidas por IL-4 e IL-13 (P < 0,05). O antagonismo de IL-4/10/13 com anticorpos melhorou significativamente a mobilização de HBD-3 para a superfície dos S aureus na pele de doentes com DA (P < 0,01). Os autores concluem que estes doentes têm problemas com infecções cutâneas por S aureus resultantes dos níveis aumentados de citocinas TH2 que inibem a mobilização de HBD-3.

Comentário do Editor: O preocupante problema da dermite atópica tornou-se mais complexo. Métodos que interfiram com IL-4 e IL-13 talvez possam ser benéficos para indivíduos com esta doença. Kisich KO, et al., JACI 2008; 122:62.

2. RITUXIMAB (R) E GLOBULINA IMUNE INTRAVENOSA (GIIV) PARA DESSENSIBILIZAÇÃO DURANTE O TRANSPLANTE RENAL
Vinte doentes muito sensibilizados (títulos de anticorpos HLA elevados ou com anticorpos específicos do dador) receberam RX com GIIV e R (um anticorpo monoclonal anti-CD20 quimérico que reduz os níveis de células B e de anticorpos). O nível médio de anticorpos reactivos ao painel foi de 44 ± 30% depois da segnda perfusão de GIIV vs. um nível de pré-tratamento de 77 ± 19% (P < 0,001). Dezasseis dos 20 doentes (80%) receberam um transplante e, aos 12 meses, o nível médio de creatinina foi de 1,5 ± 1,1 mg/dl e os índices médios de sobrevida dos doentes e dos enxertos foram de 100% e 94%, respectivamente. À entrada no estudo, o tempo médio de diálise para os recipientes de transplante de dador morto diminuíu de 144 ± 89 meses para 5 ± 6 meses. Não se verificaram eventos adversos graves, infecções, ou problemas neurológicos. Esta abordagem pode representar um importante desenvolvimento no cuidado de pessoas sensibilizadas a aguardar transplante, que presentemente se encontram numa lista de espera muito mais longa do que os indivíduos não-sensibilizados e que frequentemente morrem devido a este problema.

Comentário do Editor: Este parece ser um desenvolvimento muito importante para doentes que até agora tinham menos probabilidades de vir a receber um transplante renal. Vo AA, et al., N Engl J Med 2008; 359:242. (editorial: Shapiro, pp. 305).

3. ACTIVADORES DE MASTÓCITOS (M): UMA NOVA CLASSE DE EFICAZES ADJUVANTES?DE VACINAS (Revisto por Mark C. Glaum, M.D., Ph.D.)
Os mastócitos (M) emergiram recentemente como efectores notáveis da activação linfocitária e da migração de células imunes para os nódulos linfáticos. A fim de explorar o papel dos M no desenvolvimento das respostas imunes humorais, os investigadores combinaram activadores de Ms de pequenas moléculas com antigénios de vacinas e mediram as alterações das respostas da imunoglobulina específica do antigénio. A administração subcutânea e intranasal da combinação destas formulações induz um grande aumento das respostas da imunoglobulina G e A específica dos antigénios em animais vacinados. Este efeito parece depender da interacção das células M-dendríticas e do factor de necrose tumoral (TNF). A administração intranasal destas formulações oferece protecção contra a provocação com a toxina mortal do carbúnculo in vitro e contra a provocação com o vírus vaccinia in vivo.

Comentário do Editor: Os activadores de M podem funcionar como adjuvantes de vacinas, promovendo interacção das células M-dendríticas e aumentando, assim, as respostas protectoras dos anticorpos específicos dos antigénios. McLachlan JB, et al., Nat Med 2008;14:536.

4. EPINEFRINA: O FÁRMACO DE ESCOLHA PARA A ANAFILAXIA - UMA DECLARAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE ALERGIA (WAO)
A WAO considera a anafilaxia uma doença tratada inadequadamente e subtratada. Esta declaração discute a definição de anafilaxia, de acordo com a nomenclatura da WAO, e sublinha a absoluta necessidade do uso da epinefrina para tratar esta emergência alérgica aguda. Há alguma discordância entre os membros do painel que contribuíram para este artigo no que respeita a quando, no decurso da anafilaxia progressiva, se deve administrar a epinefrina. A maioria dos autores achavam que se deveria administrar ao primeiro sintoma de anafilaxia, particularmente quando associada a imunoterapia subcutânea, enquanto que outros entendiam que esse tratamento poderia ser adiado até que surgissem sintomas mais definitivos de anafilaxia.

Comentário do Editor: Este artigo ajudará cada médico a compreender a farmacologia da epinefrina, porque ela é essencial para o tratamento eficaz da anafilaxia, e quando deve ser administrada. Kemp SF, et al., WAO Journal 2008; Suppl 2: S18. Nota: O Editor é um dos autores sénior.

5. COMBINAÇÃO DE FLUTICASONA E SALMETEROL (FP/SAL) VERSUS COMBINAÇÃO DE DOSE FIXA DE BUDESONIDA E FORMOTEROL (BUD/F) PARA ASMA CRÓNICA EM CRIANÇAS E ADULTOS (REVISÃO)
O objectivo deste artigo é o de avaliar os efeitos relativos de FP/SAL e BUD/F em termos do controlo da asma, segurança e função pulmonar. Para este fim, foram revistos estudos aleatórios que comparam uma dose fixa de FP/SAL e BUD/F durante um mínimo de 12 semanas. Os principais efeitos estudados foram: i) exacerbações necessitando glucocorticóides orais, ii) hospitalização, e iii) eventos adversos graves. Da análise dos 5.537 participantes de 5 estudos, verificou-se que a razão de probabilidade (RP) das exacerbações que necessitaram de glucocorticóides orais não diferiu significativamente entre tratamentos, tal como no que se refere às hospitalizações e aos eventos adversos. Os aspectos secundários também não diferiram significativamente e incluíram função pulmonar, sintomas e uso de medicação SOS. Os autores afirmam que os intervalos de confiança referidos não excluem diferenças clinicamente importantes entre os tratamentos na redução das exacerbações ou a causar eventos adversos. Do mesmo modo, a amplitude dos intervalos de confiança para os principais efeitos estudados justifica que se façam mais ensaios que permitam uma melhor determinação dos efeitos relativos destas combinações farmacológicas.

Comentário do Editor: Até ao presente, os resultados dos tratamentos para combinações fixas de agonistas-beta de acção longa e corticosteróides inalados não parecem apresentar diferenças. Lasserson TJ, et al., The Cochrane Collaboration, The Cochrane Library 2008; Issue 3.

6. O USO DE MULTIPLAS DOSES DE EPINEFRINA (E) NA ANAFILAXIA INDUZIDA POR ALIMENTOS NA CRIANÇA
Analisou-se um total de 413 questionários anónimos distribuídos às famílias de crianças com alergias a alimentos durante consultas externas de Alergologia. Setenta e oito crianças (média de idades: 4,5 anos; amplitude: 0,5 - 17,5 anos) sofreram 95 episódios de reacções alérgicas a quem foi administrada E. Doze crianças (13%) receberam 2 doses de E, e seis (6%) receberam 3 doses. Amendoins, outros frutos secos e leite de vaca foram responsáveis por >75% destas reacções que necessitaram de E. Os doentes com asma tiveram uma maior susceptibilidade a precisar de múltiplas doses de E (P = 0,027). A quantidade de alimentos ingerida ou um atraso na administração da dose inicial de E não constituíram factores de risco para múltiplas doses. A segunda dose foi administrada por um profissional de saúde em 94% das reacções. Os autores concluem que 19% das reacções anafilácticas induzidas por alimentos foram tratadas com mais de uma dose de E e que são necessários estudos prospectivos para estabelecer os factores de risco da prescrição de múltiplos auto-injectores de E a crianças com alergias alimentares.

Comentário do Editor: Na anafilaxia induzida por alimentos devem prescrever-se múltiplos auto-injectores de E. Järvinen KM, et al., JACI 2008; 122:133.

7. COMPARAÇÃO DUMA COMBINAÇÃO DE TIOTRÓPIO (T) E FORMOTEROL (F) COM SALMETEROL (S) E FLUTICASONE (F) NA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÓNICA (DPOC)?MODERADA
Seiscentos e cinco doentes com DPOC moderada integraram um estudo aleatório, multicentro, duplamente-cego e com grupo paralelo, com a duração de 6 semanas, para comparar a função pulmonar com T 18 µg/dia e F 12 µg 2Xdia com S 50 µg 2Xdia e F 500 µg 2Xdia. Foram estudados 592 doentes [fluxo expiratório máximo (FEM)1 1,32 ± 0.43 l/min] e os perfis da função pulmonar durante 12 horas no grupo de T + F foram estatisticamente superiores aos de S + F. As diferenças de FEM1 e CVF (capacidade vital forçada) no pico e em cada ponto individual foram todas estatisticamente significativas a favor de TF. A CVF pré-dose foi significativamente mais elevada com a combinação TF. Os autores concluem que a T + F é superior a S + F em doentes com DPOC moderada.

Comentário do Editor: Provavelmente deveria adicionar-se salmeterol ao tiotrópio, ou vice-versa, antes de juntar um glucocorticosteróide inalável para a DPOC moderada. Rabe KF, et al., Chest 2008; 134:255.

8. PROGNÓSTICO A LONGO-PRAZO EM CRIANÇAS COM SIBILOS EM IDADE PRÉ-ESCOLAR: ESTUDO LONGITUDINAL COM QUESTIONÁRIO POSTAL 1993-2004
O objectivo deste estudo foi o de seguir uma população de crianças em idade pré-escolar com e sem história de sibilos (referida pelos pais) durante 6-11 anos, para determinar o prognóstico e os factores indicadores importantes. Foram analisadas 628 crianças com menos de 5 anos de idade aquando do recrutamento, e com, pelo menos, 6 anos de follow-up, a partir de duas populações de clínicos gerais na Grã Bretanha. Os pais de 201 crianças (32%) referiram sibilos na primeira consulta, 27% dos quais mantinham o sintoma na segunda consulta (asma persistente). Os indicadores de asma persistente foram: sibilos induzidos por exercício físico [razão de probabilidade (RP) 3,94; 95% intervalo de confiança (IC) 1,72 a 9,00] e história de doença atópica (RP 4,44; 95% IC 1,94 a 10,13). A presença de ambos indicadores representou uma probabilidade de 53,2% de desenvolver asma, enquanto que a presença de apenas um indicou uma redução dessa probabilidade para 17,2%; na ausência de ambos indicadores, a probabilidade desceu para 10,9%. A história familiar não foi indicadora de asma persistente. Os autores concluem que uma história de doença atópica e de asma induzida por exercício físico são bons indicadores de persistência da asma no futuro.

Comentário do Editor: Estes são dados novos que indicam que a asma induzida pelo exercício físico e a doença atópica nos primeiros anos de vida são bons indicadores de asma no futuro. Frank PI, et al., BMJ 2008; 336:1423.

9. O DESENVOLVIMENTO DA INFLAMAÇÃO ALÉRGICA
Este artigo publicado na Nature é uma excelente revisão da inflamação alérgica, com as seguintes secções: Alergia e Interacções Gene-Ambiente; Sensibilização Alergénica e Barreiras Epiteliais; Características da Inflamação Alérgica; IgE e a Exacerbação de Doenças Alérgicas; Supressão e Resolução da Inflamação Alérgica; e Tratamento de Alergias e da Inflamação Alérgica. Termina com uma secção intitulada "E a Seguir?", inferindo que a biologia molecular irá alterar o tratamento das doenças alérgicas. Possivelmente a coisa mais maravilhosa desta revisão é o conjunto de 6 figuras extraordinárias que acompanham o artigo.

Comentário do Editor: Esta é uma revisão maravilhosa e uma actualização para todos os médicos, independentemente do seu grau de conhecimento de inflamações alérgicas. Galli SJ, et al., Nature 2008; 454:445.

10. IMUNOTERAPIA SUBLINGUAL (ITSL) PARA GRANDES REACÇÕES LOCAIS (GRLs) CAUSADAS POR PICADAS DE ABELHAS: UM ENSAIO DUPLAMENTE-CEGO E CONTROLADO POR PLACEBO (DCCP)
Vinte e seis de 30 doentes completaram um estudo aleatório, DCCP sobre ITSL de grandes reacções locais. Após provocação com picada inicial, os indivíduos foram aleatoriamente designados para ITSL ou placebo durante 6 meses. Depois das primeiras 6 semanas de tratamento, continuaram com 525 µg (35 µg em dias alternados) de veneno por mês. A provocação com picada foi repetida após 6 meses. A mediana do diâmetro máximo das GRLs diminuiu de 20,5 cm para 8,5 cm (P = 0,014), não se tendo verificado alteração no grupo de placebo (23,0 vs 20,5 cm, I = ns). Um doente do grupo activo e três do grupo de placebo abandonaram o tratamento. Não se verificaram reacções adversas. Os autores concluem que são necessários mais estudos de doseamento da ITSL e das reacções sistémicas.

Comentário do Editor: Este estudo é encorajador e pode indicar que a ITSL pode ser benéfica para as reacções sistémicas às picadas de himenópteros. Severino MG, et al., JACI 2008; 122:44.

The World Allergy Organization's mission is to be a global resource and advocate in the field of allergy, advancing excellence in clinical care through education, research and training as a world-wide alliance of allergy and clinical immunology societies. Visit us on the Web at www.worldallergy.org

World Allergy Organization (WAO)
Secretariat
555 E. Wells Street, Suite 1100
Milwaukee, WI 53202-3823
Email: info@worldallergy.org

You have received this message because you are a member of a WAO Member Society, you have subscribed for the monthly e-letter or had previous contact with the World Allergy Organization. If you would prefer not to receive further messages from WAO, please reply to this message with REMOVE in the subject line.

Made possible through an unrestricted educational grant from Novartis.
novartis