Contact WAO | e-News Sign Up | Site Map | Home  
World Allergy Organization
WAO's mission: To be a global resource and advocate in the field of allergy, advancing excellence in clinical care through education, research and training as a world-wide alliance of allergy and clinical immunology societies.

Traduzido por Luis Miguel Borrego, MD, PhD
Lisboa, Portugal

WAO não é responsável pela exatidão desta tradução.

Revisões WAO – Escolha do Editor

Setembro 2012

Os artigos são selecionados pela sua importância para os clínicos que assistem doentes com asma e com doenças alérgicas/imunológicas pelo Dr Juan Carlos Ivancevich, Web Editor Chefe da WAO, e pelo Dr Phillip Lieberman, Editor das revisões da WAO

1. Ajuste da terapêutica com corticosteroids inalados em doentes com asma

Calhoun WJ, Ameredes BT, King TS, Icitovic N, Bleecker ER et al, for the Asthma Clinical Research Network of the National Heart, Lung, and Blood Institute. Comparison of physician-, biomarker-, and symptom-based strategies for adjustment of inhaled corticosteroid therapy in adults with asthma. The BASALT randomized controlled trial. JAMA 2012; 38(10): 987-997. (doi:10.1001/2012.jama.10893)

Texto completo, Livre acesso.

Comentário do Editor: O ensaio para aferir a melhor estratégia para ajuste da asma a longo prazo foi conduzido para determinar se o ajuste da terapêutica com corticosteroides inalados baseada no óxido nitrico ou nos sintomas diários é superior à decisão médica baseada em informações das guidelines na prevenção da falência terapêutica em adultos com asma ligeira a moderada.

Os autores concluíram que, entre os adultos com asma controlada com baixas doses de corticosteroides inalados, o tempo decorrido até à falência terapêutica não foi significativamente diferente entre pacientes que receberam a dose ajustada de corticosteroides baseada na decisão médica, no biomarcador ou na ocorrência de sintomas.

2. Associação entre animais de estimação e asma e alergias
Lødrup Carlsen KC, Roll S, Carlsen K-H, Mowinckel P, Wijga AH et al, as part of the GA2LEN WP 1.5 ‘Birth Cohorts’ working group. Does pet ownership in infancy lead to asthma or allergy at school age? Pooled analysis of individual participant data from 11 European birth cohorts. PLoS ONE 2012; 7(8): e43214. (doi:10.1371/journal.pone.0043214)

Texto completo, Livre acesso.

Comentário do Editor: Através de uma análise de participantes individuais de 11 estudos de coorte prospetivos que recrutaram um total de 22,000 crianças nos anos 90, os autores avaliaram a associação entre a existência de um animal doméstico na infância e a existência de asma e alergias aos 6-10 anos de idade. Concluíram que possuir um animal precocemente na vida não parece aumentar ou reduzir o risco de asma ou de sintomas de rinite alérgica em crianças.

3. Pacientes com urticaria crónica grave não controlada devem ser avaliados para síndrome metabólico

Ye YM, Jin HJ, Hwang EK et al. Co-existence of chronic urticaria and metabolic syndrome: Clinical implications. Acta Dermato Venereologica 2012; 92, published online before print 4 September. (doi:10.2340/00015555-1443)

Texto completo, Livre acesso.

Comentário do Editor: Para investigar a prevalência e o impacto do síndrome metabólico em doentes com urticaria crónica, os autores realizaram um estudo hospitalar transversal em 131 doentes. 29.8% tinham um síndrome metabólico comparado com 17.8% do grupo controlo. Os doentes com urticária crónica e síndrome metabólico eram mais velhos, tinham um score de atividade de urticária superior e níveis séricos de proteína catiónica eosinófilica, factor de necrose tumoral-α, e complemento, e mostraram uma maior percentagem de testes cutâneos de soro autólogo negativos em relação aos doentes sem síndrome metabólico.

4. A imunoterapia com alergénios pode resultar na produção de anticorpos específicos IgG4 de alta afinidade

James LK, Bowen H, Calvert RA, Dodev TS, Shamji MH et al. Allergen specificity of IgG4-expressing B cells in patients with grass pollen allergy undergoing immunotherapy. The Journal of Allergy and Clinical Immunology 2012; 130(3): 663-670.e3. (doi:10.1016/j.jaci.2012.04.006)

Abstract

Comentário do Editor: Os autores identificaram a produção de IgG4 induzida durante a imunoterapia que se liga com extrema afinidade a alergénios de gramíneas, e descobriram que este anticorpo monoclonal específico pode bloquear a apresentação alergénica via IgE, bem como a activação de basófilos via IgE.

5. Muitas doenças e outros fatores não relacionados com doença afetam a fracção exalada de óxido nítrico (FeNO)

Jartti T, Wendelin-Saarenhovi M, Heinonen I, Hartiala J, Vanto T. Childhood asthma management guided by repeated FeNO measurements: a meta-analysis. Paediatric Respiratory Reviews 2012; 13(3): 178-183. (doi:10.1016/j.prrv.2011.11.002)

Abstract

Comentário do Editor: Os autores efetuaram uma meta-análise para verificar a importância clínica dos valores de FeNO na abordagem da asma pediátrica. Os seus dados sugeriram que a utilização dos valores de FeNO para decidir a dose de corticosteroides inalados em crianças não pode ser recomendada na prática clinica uma vez que muitas doenças e outros fatores não patológicos (atopia, altura/idade e infeção) afetam os níveis de FeNO que podem muito facilmente confundir a sua interpretação.

6. Relação entre a endotoxina doméstica e asma ou sibilância nas crianças em idade escolar em ambiente rural.

Lawson JA, Dosman JA, Rennie DC, Beach JR, Newman SC, Crowe T, Senthilselvanet A.  Endotoxin as a determinant of asthma and wheeze among rural dwelling children and adolescents: A case--control study. BMC Pulmonary Medicine 2012; 12:56. (doi:10.1186/1471-2466-12-56)

PDF Provisisório, Livre acesso

Comentário do Editor: Os autores conduziram um estudo de caso-controlo em crianças de 6-18 anos de idade, na região rural de Humboldt, Canada, para estudar a relação entre endiotoxinas domésticas e asma ou sibilância entre crianças em idade escolar em ambiente rural (6-18 anos) e verificaram a interação entre endotoxinas e estas doenças. Os resultados sugerem que a exposição a endotoxinas pode ser protetora para asma ou sibilância em crianças em idade escolar, e esta proteção pode ser mais eficaz precocemente na vida.

7. É possivel dessensibilizar doentes alérgicos ao latex?
Nettis E, Delle Donne P, Di Leo E, Fantini P, Passalacquaet G et al. Latex immunotherapy: state of the art. Annals of Allergy, Asthma & Immunology 2012; 109(3): 160-165. (doi:10.1016/j.anai.2012.07.004)

Abstract

Comentário do Editor: Os autores conduziram uma revisão sistemática sobre o tratamento da alergia ao latex com imunoterapia subcutânea (SCIT) ou sublingual (SLIT) selecionando 11 ensaios clínicos (3 com SCIT e 8 com SLIT) das bases de dados da literatura (PubMed, Embase, Google Scholar). Concluíram que pelo menos a SLIT pode representar uma opção válida em doentes selecionados, com sintomas graves, e que não podem evitar a exposição ao látex.

8. Tratamento com 12-semanas com montelucaste diariamente, em crianças com apneia obstrutiva do sono não grave (OSA)

Goldbart AD, Greenberg-Dotan S, Tal A. Montelukast for children with obstructive sleep apnea: A double-blind, placebo-controlled study. Pediatrics 2012; 130(3): e575-580, published online ahead of print August 6. (doi:10.1542/peds.2012-0310)

Abstract

Comentário do Editor: Os autores descrevem que o montelucaste reduz efetivamente os achados polissonográficos, sintomas, e o tamanho do tecido linfóide dos adenóides em crianças com OSA não grave. Estes achados suportam o potencial uso dos antagonistas dos leucotrienos, como uma nova, segura e não invasiva alternativa para crianças com OSA ligeira a moderada.

9. Impacto da irrigação salina nasal (SNI) nos sintomas da rinite alérgica (AR)

Hermelingmeier, KE, Weber RK, Hellmich M, Heubach CP, Mösges R. Nasal irrigation as an adjunctive treatment in allergic rhinitis: A systematic review and meta-analysis. American Journal of Rhinology & Allergy 2012; 26(5): e119-125(7). (doi:10.2500/ajra.2012.26.3787)

Abstract (Seleccionar PDF para acesso gratuito ao texto integral.)

Comentário do Editor: Os autores conduziram uma revisão sistemática da literatura e uma meta-análise das publicações relevantes para verificar a eficácia das SNI na AR baseados nos critérios da medicina baseada na evidência. Concluíram que as SNI com solutos isotónicos podem ser recomendadas como terapêutica complementar na AR. São bem toleradas, baratas, de fácil utilização, e não há evidência que a administração regular diária das SNI afeta a saúde dos doentes ou cause efeitos secundários.

10. A resposta com anticorpos após estímulo com vacinação com antigénios pode trazer um insight sobre o status do sistema imune.

Orange JS, Ballow M, Stiehm ER, Ballas ZK, Chinen J et al. Use and interpretation of diagnostic vaccination in primary immunodeficiency: A working group report of the Basic and Clinical Immunology Interest Section of the American Academy of Allergy, Asthma & Immunology. The Journal of Allergy and Clinical Immunology 2012; 130(3): S1-S24 (doi:10.1016/j.jaci.2012.07.002)

Texto completo, Livre acesso.

Comentário do Editor: Este documento representa uma tentativa do grupo de trabalho da American Academy of Allergy, Asthma & Immunology para orientação sobre o uso de vacinas com fins diagnósticos, em relação às imunodeficiências primárias, bem como para identificar áreas chave para investigação futura.

11. Aumento do conhecimento da patofisiologia das doenças de ativação sistémica dos mastócitos.

Haenisch B, Nöthen MN, Molderings GJ. Systemic mast cell activation disease: the role of molecular genetic alterations in pathogenesis, heritability, and diagnostics. Immunology 2012; Accepted Article, 7 September. (doi:10.1111/j.1365-2567.2012.03627.x)

Texto completo, Livre acesso.

Comentário do Editor: Este interessante artigo sobre a doença de activação sistémica dos mastócitos (MCAD) faz uma revisão sobre investigação em genética molecular na identificação dos genes associados à doença e às suas alterações por mutação. Também apresenta novos dados sobre a doença familiar de activação sistémica dos mastócitos, e faz uma revisão da literatura associada.

12. A barata é uma fonte de alergénios inalantes na rinite alérgica e na asma
Sohn MH, Kim KE. The cockroach and allergic diseases. Allergy Asthma Et Immunology Research 2012; 4(5): 264–269. (doi:10.4168/aair.2012.4.5.264)

Texto completo PDF, Livre acesso.

Comentário do Editor: Esta excelente revisão descreve a demogafia da exposição à barata e sensibilização, características dos alergénios da barata, e respostas inflamatórias contra alergénios da barata, iniciadas através de vias protease-dependentes.